terça-feira, 10 de janeiro de 2012


Entre estrelas que atuam na Europa, ex-jogadores que marcaram a história do futebol e convidados que ainda pouco conhecem sua carreira, Neymar participou de sua 1ª festa de gala da Fifa na última segunda-feira, em Zurique. Foi discreto, admitiu timidez por estar ao lado de ídolos, mas terminou a noite premiado e aplaudido por ter feito o gol mais bonito do ano, segundo eleição aberta na internet.
Neymar chegou ao local da premiação com mais de uma hora de antecedência. Passou pelo carpete vermelho e distribuiu alguns autógrafos. Não causou nos fãs o frisson de Messi e outros jogadores do Barcelona, mas foi reconhecido.
No auditório, acomodou-se em uma cadeira entre Piqué e Rooney. Na mesma fileira sentaram Iniesta e Vidic. Era o único jogador que não atua na Europa entre os 55 pré-selecionados para a seleção ideal de 2011 e a concorrer a um troféu de destaque, o do gol mais bonito. Acostumado a ser a estrela por onde passa no Brasil, na festa exercia mais o papel de "intruso" em uma premiação que poderia ser confundida como da Uefa.
Neymar foi filmado pela primeira vez ao apresentarem os três gols concorrentes ao prêmio Puskas. Ao ver o cinegrafista posicionado enquanto seu lance contra o Flamengo era exibido no telão, arrumou o cabelo. Na sequência, apareceu na transmissão oficial por breves segundos, assim como Messi e Rooney.
Com a entrega do prêmio postergada para o final, Neymar continuou apenas como expectador da festa até o anúncio da seleção do ano. Ficou na expectativa de ser chamado ao palco, mas acabou abandonado. Seus quatro colegas de fileira se levantaram para receber o prêmio e deixaram o santista isolado. "Não fiquei frustrado por não receber o prêmio. Só estar aqui já é uma vitória", disse.
O pequeno espaço de protagonismo a Neymar foi conferido já quase no final da festa. Com 42% dos votos em uma eleição aberta na internet, seu gol recebeu o prêmio de mais bonito e deu ao atacante a chance de discursar. Em português, disse que era um sonho estar ali no meio de tantas estrelas. No caminho ao palco, foi cumprimentado por todos seus colegas de fileira com um aperto de mão.
Depois de aplaudir a consagração de Lionel Messi como melhor do mundo pela terceira vez, Neymar subiu ao palco ao lado de todos os premiados para as fotos oficiais. Ficou ao lado de Pelé e de outros brasileiros na maior parte do tempo. "Fiquei mais na minha. Não conversei com muitos jogadores", disse.
Na última formalidade da noite, Neymar passou pelo corredor de jornalistas acompanhado de um dirigente santista que o acompanha em todas as viagens. Recebeu atenção, além dos brasileiros, apenas dos repórteres espanhóis ainda interessados no jogador que, por ora, recusou Barcelona e Real Madrid para continuar no Brasil. Até falou ao vivo por telefone para uma rádio do país.
Encerrada a sua primeira noite de gala na Fifa, Neymar já se preparou para uma nova etapa de sua "internacionalização". Pegou um voo para Barcelona onde gravará um comercial da Nike. Após visitar 14 países em 2011, o santista deve acumular muitos outros pontos em seu cartão de milhagem por conta do projeto de expansão de sua imagem. Seu nome já atingiu até Burundi e Camboja, países que deram ao atacante os dois únicos votos de melhor do mundo da eleição da Fifa.

Por Fábio de Mello Castanho - Terra

0 comentários