terça-feira, 17 de janeiro de 2012


Bruno Senna já posa como representante da equipe inglesa Williams
Após despontar com favoritismo para o posto nos últimos dias, o piloto brasileiro Bruno Senna, 28, sobrinho do ídolo Ayrton Senna, está confirmado como o companheiro do venezuelano Pastor Maldonado na Williams para a temporada da F-1. A notícia foi oficializada na manhã desta terça-feira e ele substitui o também paulista Rubens Barrichello, 39, que não teve o contrato renovado e continua sem equipe.

"Será muito interessante pilotar por uma equipe que teve meu tio como piloto [foi a última de Ayrton, quando morreu em 1994 em um acidente na Itália], particularmente porque algumas pessoas daqui chegaram a trabalhar com ele. Esperamos trazer de volta algumas lembranças e criar outras novas também", afirmou Bruno.

E completou: "Quero conquistar bons resultados para retribuir o apoio que meu país tem me dado e que me ajudou a conseguir esta vaga. Sou orgulhoso de ser brasileiro e mais motivado do que nunca para mostrar o que posso fazer. Desde que sentei pela primeira vez em um kart, nunca pensei em fazer outra coisa".

Bruno havia perdido a vaga na Lotus, novo nome da Renault em 2012.
Cada vez mais perto da aposentadoria, o que não permitiria o seu vigésimo ano seguido na principal categoria do automobilismo mundial, Barrichello já escreveu em seu perfil no Twitter: "Fala, galeraa.... Pois é, não estarei guiando o carro da Williams este ano... Desejo ao meu amigo @BSenna [Bruno Senna] muita sorte. O futuro está em aberto...".

Bruno disputou as últimas oito provas de 2011 e conseguiu o sétimo lugar no GP da Bélgica. Os patrocínios que acompanham o piloto, como o do empresário Eike Batista e da Embratel, tiveram peso decisivo para o acerto com os ingleses.

Outro desbancado na disputa foi o alemão Adrian Sutil, que estava na Force India.

Bruno estreará pela Williams nos primeiros testes de inverno, dia 9 de fevereiro, em Jerez, na Espanha.

Agora, a Hispania é a única equipe que não definiu seus dois pilotos para 2012.

O diretor-geral do time, Frank Williams, também comentou: "Bruno só começou a correr com 20 anos de idade, mas logo mostrou seu talento na F-3 e na GP2. Em uma batalha apertada pelo título da GP2 em 2008, Bruno terminou em segundo no campeonato com vitórias notáveis em Mônaco e Silverstone, esta última no molhado".

"As circunstâncias de suas duas primeiras temporadas na F-1 não lhe ofereceram a oportunidade ideal de ter uma performance consistente. Por isso, foi essencial passarmos o máximo de tempo com ele para compreendê-lo e avaliá-lo como piloto. Fizemos isso tanto na pista quanto em nosso simulador, condições em que ele se mostrou rápido, com bom entendimento técnico e, acima de tudo, capaz de aprender e aplicar esse aprendizado rápida e consistentemente. Agora estamos ansiosos em ver esse talento em nosso carro", concluiu o dirigente, já à frente da equipe desde a época de Ayrton.

Fonte: Folha

0 comentários