segunda-feira, 14 de maio de 2012




O artista plástico norte-americano Andy Warhol certa vez profetizou sobre a celebridade instantânea: "um dia, todos terão direito a 15 minutos de fama".

Carla Ubarana, ex-chefe do setor de precatórios do Tribunal de Justiça do Estado, completou ontem (13) seus "15 minutos de fama" em reportagem do Fantástico, da Rede Globo, o show da vida.

O programa não revelou nada de novo para o telespectador norte-rio-grandense que acompanha o caso na imprensa local. Segundo o Fantástico, houve uma farra milionária bancada com o dinheiro do contribuinte. "Dinheiro aos montes, desviado de um tribunal de justiça no Nordeste", disse o narrador. E foi mesmo.

O que mais me chamou a atenção foi a desfaçatez de Carla Ubarana na hora de contar os detalhes da fraude e o destino dado ao dinheiro roubado.

Com ar jovial, cabelo cortado, bem vestida e bem produzida, Carla Ubarana nem parecia aquela mulher arrasada e ajudada por policiais a caminho da prisão. Ela se apresentou altiva e, em determinado momento, se mostrou orgulhosa do malfeito: "Ninguém domina precatório. E eu posso lhe dizer que eu domino precatório", disse Carla sem modéstia.

A imagem do papel higiênico todo estampado com notas de dinheiro foi um escárnio. 

Os repórteres da TV Globo nos pouparam de novo relato do marido de Carla, o George Leal. Seus detalhes e suas listinhas de gastos bastaram no depoimento dado em juízo. Foi um show à parte naquela ocasião e reprisado agora.

Para não dizer que não houve novidade, Carla Ubarana chegou a números redondos: "Foram retirados quase R$ 20 milhões. Não chega a R$ 20 milhões", conta. Não lembro de ela ter sido tão afirmativa. Pelo visto, as projeções iniciais do roubo - de R$ 40 milhões a R$ 70 milhões - serão derrubadas. Parece-nos que a fraude no TJ valerá, grosso modo, um acerto da Henasa (R$ 22 milhões só de prejuízos).

Segundo relato do advogado Francisco Gurgel Júnior, uma funcionária do desembargador Rafael Godeiro prometia transformar uma dívida de R$ 30 mil em R$ 1,5 milhão, bastava pagar uma propina de R$ 200 mil. "O nome dela era Ana Lígia", sapecou o advogado.

Os desembargadores Osvaldo Cruz e Rafael Godeiro se negaram a dar declarações ao Fantástico dentro da estratégia da defesa de somente falar em juízo.

Foi assim que o Fantástico da Globo apresentou o escândalo dos precatórios no TJ para todo o país. Carla Ubarana dividiu as atenções com os suspeitos de roubar as fotos da atriz Carolina Dieckmann em poses íntimas, com a compulsão por remédios da cantora Vanusa, com a acusação de racismo contra o pagodeiro Alexandre Pires, com o quadro Acidentes Domésticos do doutor Drauzio Varella e com os gols do Fantástico. Afinal, tudo isso faz parte do Show da Vida.

Fonte nominuto.com

0 comentários