quinta-feira, 16 de abril de 2015


Se tinha pretensão de garantir uma sessão de ganhos nesta quarta-feira, dia 15, o dólar não conseguiu levar adiante.
Após dados mais fracos da China, a moeda até abriu em alta, mas titubeou com números dos EUA e se firmou em queda após o Livro Bege.
Terminou, assim, sua segunda sessão consecutiva de baixa, a R$ 3,04, no menor preço desde 5 de março (R$ 3,009).
O dólar terminou a sessão em queda de 0,72%, a R$ 3,04. Na mínima, marcou R$ 3,034 e, na máxima, R$ 3,094.
No mês, acumula perda de 5% e, no ano, tem alta de 14,50%.
No mercado futuro, a moeda marcava, às 16h33, recuo de 0,81%, a R$ 3,055.
Pela manhã, o câmbio abriu pressionado pelos dados mais fracos da economia chinesa, o que deu força à moeda no exterior ante as emergentes.
Entre eles, o PIB, as vendas no varejo e a produção industrial.
Mas foram os dados da produção industrial dos EUA que contribuíram para inverter o rumo da moeda para baixo, com contribuição dos números semanais do fluxo cambial.
O BC informou que no mês até o último dia 10, o fluxo estava positivo em US$ 969 milhões.
Apenas na semana de 6 a 10, o resultado foi positivo em US$ 1,776 bilhão.
Nos EUA, a produção industrial caiu 0,6% em março ante fevereiro, com ajuste, ante previsão de -0,4%.
Outro dado negativo foi o índice Empire State de atividade industrial na região de Nova York, que caiu para -1,19 em abril, de 6,90 em março, frustrando a expectativa de alta do indicador, a 8,0.
À tarde, o Livro Bege também reforçou o viés de baixa da moeda, ao citar que o fortalecimento do dólar pesou sobre o desempenho da indústria dos EUA, que ainda sofreu com a queda do petróleo e o mau tempo no começo do ano no hemisfério norte. (Estadão)

0 comentários